Tirando lições com recursos da natureza

Cedro

A Bíblia utiliza muitas figuras de linguagem, especialmente metáforas e símiles da natureza para expressar princípios espirituais. Um exemplo é a comparação entre o justo e a árvore.

“Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, cujas folhas não caem, e tudo quanto fizer prosperará.

Não são assim os ímpios, mas são como a palha que o vento dispersa. ”

Vejamos alguns exemplos na Bíblia e o que podemos aprender com elas:

LIÇÕES DA NATUREZA EM RELAÇÃO AS ÁRVORES

Natureza

Em muitos outros textos, a árvore é usada como ilustração, como os textos abaixo:

‘’Bendito o homem que confia no Senhor, e cuja confiança é o Senhor.

Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto’’. Jeremias 17:7,8

‘’O ímpio deseja a rede dos maus, mas a raiz dos justos produz o seu fruto’’. Provérbios 12.12

‘’Porque o que escapou da casa de Judá, e restou, tornará a lançar raízes para baixo, e dará fruto para cima’’. 2 Reis 19:30

 ‘’Por baixo se secarão as suas raízes e por cima serão cortados os seus ramos’’. Jó 18:16

 ‘’Dias virão em que Jacó lançará raízes, e florescerá e brotará Israel, e encherão de fruto a face do mundo’’. Isaías 27:6

 ‘’E, se as primícias são santas, também a massa o é; se a raiz é santa, também os ramos o são’’. Romanos 11:16

A FIGURA DO CEDRO

Cedro

O cedro é uma das árvores mais imponentes. É símbolo de força e eternidade. Nos 3 primeiros anos de vida, alcança apenas 5 centímetros de altura, mas já possui 1 metro e meio de raízes.

Quem poderá arrancar tal “plantinha”? Mesmo jovem, já se mostra firme. Seu crescimento interior é bem maior que o exterior. Depois, cresce 20 centímetros por ano, chegando a 40 metros de altura, como é bela a natureza!

Seu desenvolvimento é lento, sem pressa, sem precipitação, mas não se pode detê-lo. Só a partir dos 40 anos é que o cedro produz sementes, mas pode viver centenas de anos.

O cedro não depende da chuva, pois suas raízes profundas buscam água diretamente dos lençóis freáticos. (Fonte: www.libano.org.br)

E NOS TEMPOS BÍBLICOS, QUAL ERA A UTILIDADE DO CEDRO?

Cedro

Vejamos para que era usado o cedro:

  • Construção de casas e palácios:

 ‘’E Hirão, rei de Tiro, enviou mensageiros a Davi, e madeira de cedro, e carpinteiros, e pedreiros que edificaram a Davi uma casa’’. 2 Samuel 5:11

  • Templos:

‘’Assim, pois, edificou a casa, e a acabou; e cobriu a casa com pranchões e tabuados de cedro’’. 1 Reis 6:9

  • Cofres:

‘’Estes eram teus mercadores em roupas escolhidas, em pano de azul, e bordados, e em cofres de roupas preciosas, amarrados com cordas e feitos de cedros, entre tua mercadoria’’. Ezequiel 27.24

  • Embarcações:

‘’Fabricaram todos os teus conveses de faias de Senir; trouxeram cedros do Líbano para te fazerem mastros’’. Ezequiel 27:5

O cedro tem beleza, perfume e força. Resiste aos desafios da água e do vento. É, portanto, muito confiável. O salmista disse que o justo é como o cedro do Líbano, e isso significa a ternura da natureza.

Com isso, podemos ter uma ideia do que Deus espera de nós. É natural que sejamos, pela graça do Senhor, fortes, firmes, confiáveis, apresentando a beleza da vida cristã em nós, sendo resistentes diante das dificuldades.

Nossa relação com Deus não dependerá de fatores exteriores, pois a profundidade será característica da nossa espiritualidade.

AS RAÍZES

Raiz

Quando a semente germina, ocorre um crescimento para cima (tronco, galhos, folhas, flores e frutos) e outro para baixo (raiz). Nossa vida não pode ser apenas algo exterior, mas interior. A raiz garante firmeza, nutrição e sobrevivência para a planta

 ‘’E mal se tem plantado, mal se tem semeado, e mal se tem arraigado na terra o seu tronco, já se secam, quando ele sopra sobre eles, e um tufão os leva como a pragana’’. Isaías 40:24

Veja o artigo: “Tribulações internas na Igreja”

Muitas vezes, enfatizamos o que a árvore produz, o fruto, mas nos esquecemos das raízes. Nos mais variados aspectos da nossa vida, valorizamos mais o que é aparente e menosprezamos o que está oculto.

O fruto na natureza é muito importante, mas a sua falta pode indicar um problema na raiz. Estamos muito preocupados com as aparências, com aquilo que pode ser visto e admirado pelos homens.

Entretanto, nossas raízes são valores e práticas vistas apenas por Deus. Estão abaixo da superfície e precisam ser cultivadas com atenção e cuidado. Se não for assim, corremos o risco de cair, pois o peso exterior não terá sustentação interior.

QUAL O PROVEITO PARA NOSSA VIDA ESPIRITUAL?

Vida com raizes

Jesus disse que os fariseus valorizavam muito as orações, jejuns e esmolas realizadas em público.

Os discípulos, porém, foram ensinados a fazer tudo isso de maneira discreta e, às vezes, secreta, de modo que só Deus pudesse vê-los

‘’Guardai-vos de fazer a vossa esmola diante dos homens, para serdes vistos por eles; aliás, não tereis galardão junto de vosso Pai, que está nos céus.

 Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.

 Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita;

 Para que a tua esmola seja dada em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, ele mesmo te recompensará publicamente.

 E, quando orares, não sejas como os hipócritas; pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.

 Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente’’. Mateus 6:1-6

 Uma vida de dedicação íntima a Deus é uma forma de cultivar raízes espirituais. As orações em público são válidas e importantes, mas podem também ser falsas. Quem ora sozinho, dentro de seu quarto, provavelmente o fará com sinceridade de coração.

Tronco, galhos, folhas, flores e frutos, se forem cortados, podem renascer a partir da raiz. Se esta, porém, for arrancada e morrer, será o fim para a árvore. Será que o nosso cristianismo se resume ao que fazemos no templo?

COMO SEGUIR EM FRENTE?

Seguir em frente

A falta de raiz leva à morte, conforme observamos nas palavras de Jesus: “E os que estão sobre pedra, estes são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria, mas, como não têm raiz, apenas creem por algum tempo, e no tempo da tentação se desviam.” (Lc 8.13.)

Aquela semente caiu entre as pedras, onde havia pouca terra. Brotou rapidamente, mas, por falta de raízes, morreu sob o calor do sol. Jesus disse que tais pessoas “creem por algum tempo”.

São “crentes provisórios”. Não têm raízes. Este é o caso daqueles que frequentam a igreja durante algum tempo e depois desaparecem.

Veja o artigo: “O crente pode frequentar festas seculares?”

O texto de Lucas nos mostra que há dois momentos na caminhada com Cristo: alegria e tribulação. Precisamos ter consciência disso. Devemos conhecer tal possibilidade, pois o conhecimento também é um tipo de raiz que nos manterá de pé.

O dia da tentação e tribulação traz o teste para a raiz do servo de Deus. É nessa hora que manifestamos o que somos intimamente. O vento e a tempestade nos atingirão inevitavelmente. Então veremos o que existe em nós, abaixo da superfície.

A primavera é a estação mais favorável para as plantas. Contudo, não há como impedir que venha o inverno. No hemisfério norte, onde a estação fria é muito rigorosa, as árvores perdem toda a sua beleza por causa da geada e da neve.

Ficam com aspecto de destruição completa. Não têm folhas, flores nem frutos. Não lhes resta nem mesmo um aspecto agradável ou saudável. A natureza é magnífica, não acha?

Parecem mortas. Contudo, sob o solo gelado, suas raízes permanecem vivas, garantindo que, na próxima estação, a árvore esteja viva, forte, bela e produtiva.

“Porque há esperança na natureza, que, se for cortada, ainda torne a brotar, e que não cessem os seus renovos. Ainda que envelheça a sua raiz na terra, e morra o seu tronco no pó, contudo ao cheiro das águas brotará, e lançará ramos como uma planta nova.” (Jó 14.7-9.)

CONCLUSÃO

Deus pode permitir que percamos o que é aparente. Ficará apenas o que é interior. É nessa hora que conhecemos o verdadeiro cristão, ao vê-lo permanecendo firme. O falso se escandaliza, blasfema contra o Senhor e se desvia do Evangelho.

O justo, porém, não deixará sua posição, pois está arraigado através do amor, do conhecimento, da experiência, da fé, pelo compromisso, com determinação inabalável. Estas são as nossas raízes.

Se você gostou deste artigo, curta ou compartilhe no facebook, clique aqui embaixo e deixe seu comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.