Podemos chamar Deus de você?

Deus

Uma das coisas que mais o cristão aprende quando falamos de Deus, é sobre o respeito em relação ao seu criados. Devemos saber que somos pecadores e precisamos tratar a Deus com o devido respeito a que lhe é devido.

Na adoração devemos ter intimidade com o Senhor, e também muito respeito com o nosso Deus, Ele é chamado de DEUS TODO PODEROSO.
Mesmo que possamos ouvir e falar com o Senhor, como falamos com um amigo, devemos saber que somos pecadores e precisamos trata-lo como Ele é.

Muitos cânticos e hinos de louvor tratam à Deus como “VOCÊ” e isso torna-se um desrespeito ao Senhor. Neste artigo abordaremos algumas questões que tratam sobre o assunto, e você vai mudar seus conceitos. Boa leitura.

Vejamos o porquê é um desrespeito chamar o Senhor de VOCÊ

DEUS É SUPERIOR A QUALQUER PALAVRA DITA

Deus

Expressões como a palavra “VOCÊ”, não é apropriada no louvor em que fazemos para prestar culto ao nosso Senhor.

Conforme o dicionário “VOCÊ”, geralmente é empregado como tratamento intimo entre iguais. Somo iguais à Deus? Seremos transformados, mas temos que saber que o Senhor é Soberano!

Veja o artigo: “O crente pode frequentar festas seculares?”

Adorar implica numa relação de profundo amor ao Senhor e ao próximo, essa relação não nos deixa igual ao Criador do Céu e da Terra para o tratarmos como “VOCÊ”.

O Senhor sempre será tratado como o nosso Senhor, e precisamos nos relacionar com Ele. Não existe base bíblica que impeça de chama-lo de ”VOCÊ”, mas também nunca vi na bíblica alguém se aproximar do Senhor, chamando-o de ”VOCÊ”

DEUS É SUPERIOR E NÃO SE TORNA INFERIOR

Deus

Ainda no dicionário “VOCÊ”, também é empregado como tratamento de superior para inferior…

Só o Senhor é Deus! Só o Senhor é Soberano! Fomos feito à sua semelhança, mas Deus é Supremo, é Superior.

Veja o artigo: “O cristão pode assistir o filme 50 tons de cinza?”

O Espírito é a fonte de inspiração para as escrituras, nos é lícito então buscar esta inspiração ao fazermos cânticos ou hinos para o Louvor e Adoração ao nosso Senhor.

Você é um ser criado para a glória de Deus, não esqueça jamais.

CONCLUSÃO

O Senhor é soberano, portanto devemos trata-lo com Soberano. A identidade do Senhor sempre será superior a toda a criatura, afinal de contas, Ele é o nosso criador e não pode ser tratado como um ser qualquer.

“Por que Dele, e por Ele, e para Ele são todas as coisas, glória, pois, a ele eternamente e, amém”. Rm 11.36

É o dever de cada cristão tratar o Senhor “Dignamente”.

Pense nisso e siga em frente!

Se você gostou deste artigo, curta ou compartilhe no facebook, clique aqui embaixo e deixe seu comentário

32 Comentários

  1. Tudo começa em Portugal. Lá, as pessoas se tratam, essencialmente, por “tu” – há muitos séculos. No dia a dia, é extremamente raro você ver um português se dirigir a outro por “você”. Simplesmente não faz parte da cultura lusitana, ao contrário do que ocorre no Brasil. Hoje, se você viajar a Portugal, verá que as pessoas na rua sempre vão se dirigir a você como “tu”, o que poderá ser um tratamento extremamente informal. Com isso em mente, lembre-se de quem foi o primeiro tradutor da Bíblia para a nossa língua: João Ferreira de Almeida (1628-1691). Ocorre que ele era não um brasileiro, mas, sim, um português. É de se considerar que ele escolhesse na tradução das Escrituras o termo mais utilizado no país em que nasceu e cresceu.

    Portanto, Almeida não usou o “tu” por qualquer razão bíblica, mas simplesmente porque fazia parte do seu jeito de falar, da cultura em que estava inserido, do jeito que era usual na sociedade onde vivia.

    Com o passar do tempo, as traduções Almeida Revista e Corrigida (ARC) e Almeida Revista e Atualizada (ARA) – as mais adotadas no Brasil até a chegada da Nova Versão Internacional (NVI) e que até hoje são extremamente utilizadas nas igrejas – mantiveram o “tu”, uma herança das origens portuguesas da tradução da Bíblia para nosso idioma e do jeito de falar do tradutor português de 400 anos atrás.

    Logo, em sua raiz, o “tu” não representa necessariamente nenhuma formalidade, tampouco respeito. Era simplesmente o jeito de falar do português comum da época de Almeida.

    vc3Entendido isso, vamos analisar quais são as origens do termo “você”. Para nós, brasileiros do século 21, essa é uma forma de tratamento que transmite uma certa informalidade. Isso, junto ao fato de que nas traduções da Bíblia para o português Jesus sempre foi tratado por “tu” (pela razão que expliquei acima), acabou criando muita antipatia ao uso do “você” para se dirigir a Deus. Como estamos viciados em ler na Bíblia o Pai e o Filho serem tratados por “tu”, parece uma coisa estranha, fora de lugar, nos dirigirmos à divindade por “você”. Afinal, nunca vimos isso em Bíblia nenhuma (em português, ressalve-se). Mas precisamos entender o que significa, de fato, “você”, pois ela não é uma palavra que brotou do nada.

    “Você” é um encurtamento de “vossa mercê”, um modo extremamente formal de tratamento, usado desde os tempos remotos em Portugal. “Mercê” significa “graça”, “misericórdia”. Com o tempo, as pessoas passaram a encurtar esse respeitoso modo de tratar, que se transformou em “vossemecê”, depois “vosmecê”, virou “vancê” e, por fim, “você”. Portanto, “você” significa “vossa graça”. E que significado mais lindo haveria numa forma de tratamento a Deus do que em algo que ressalta sua graça, sua misericórdia; aquilo que fez Jesus subir à cruz por cada um de nós? Graça, a maravilhosa graça!

    vc4E veja que interessante: em sua origem, o “vossa mercê” (“você”) era utilizado somente para se dirigir a gente a quem se devia tratar com muito respeito, enquanto o “tu” era usado em ocasiões informais. Atente para esta explicação: “mercê era o elevado tratamento dado na terceira pessoa aos reis de Portugal […] No século 15, quando os soberanos portugueses adotaram o chamamento de alteza (vossa alteza, e sua alteza) foi o título de mercê começado a ser dado às principais figuras do Reino, nas principais casas fora da Família Real, generalizando-se a dado passo como forma de tratamento adotada pelos fidalgos entre si. Este processo é lento e gradual, mantendo-se alternativamente o tratamento antigo por vós em certos setores mais elevados da sociedade portuguesa, paralelamente ao de vossa mercê. O tu já então era reservado apenas às classes burguesas, e populares, utilizado na nobreza apenas quando existisse grande grau de intimidade, geralmente intimidade familiar, e de superiores para inferiores (pais para filhos, avós para netos, fidalgos para criados e populares). Os inferiores em dignidade (sobrinhos para tios, criados para patrões etc.) respondiam ao tu com que eram tratados na terceira pessoa, ou por vós, ou pelo tratamento correspondente à dignidade reconhecida à pessoa mais importante durante o diálogo”.

    O resumo da ópera é que, em sua origem e por definição, o “você” era o tratamento dado a reis, nobres, fidalgos e gente merecedora do mais alto respeito e formalidade. Já o “tu” era um termo que fazia parte da linguagem do povão, usado com gente “inferior em dignidade”. Justamente o contrário do que os opositores a chamar Deus de “tu” compreendem ser o correto e digno, não é curioso? E isso ocorre porque, no Brasil, o “vossa mercê” começou a perder o status de linguagem usada para se referir às pessoas mais importantes quando, no século 16, os reis e nobres europeus passaram a solicitar ser chamados de “vossa excelência”, o que permanece até hoje entre nossas autoridades (você já deve ter visto na televisão deputados, por exemplo, se dirigirem a outros deputados utilizando esse tratamento). Com isso, o “vossa mercê” (ou “você”) passou a ter um uso mais amplo.

    Constatamos, então, que o problema todo é uma mera questão de tradução. Almeida escolheu usar o “tu” porque essa era a palavra que fazia parte de seu dia a dia e sem nenhuma relação com reverência ou respeito.

    Tendo visto isso, agora precisamos buscar respostas na exegese bíblica, isto é, na análise dos originais das Escrituras. Será que os textos originais fariam algum tipo de diferenciação nesse sentido? Vejamos:

    vc5Um exemplo seria a ocasião em que Pedro responde a Jesus quando o Mestre lhe pergunta três vezes se ele o ama (Jo 21.15-18). A resposta de Pedro é: “Sim, Senhor, tu sabes que te amo”. O vocábulo original das Escrituras traduzido aqui por “tu” é su, que, no grego, refere-se à segunda pessoa do singular. Mas veja que revelador: Jesus, ao conversar com Pedro, usa exatamente a mesma palavra, su, para se dirigir a ele, como em “Respondeu Jesus: ‘Se eu quiser que ele permaneça vivo até que eu volte, o que lhe importa? Siga-me você‘” (Jo 21.22-23). Embora a tradução da NVI use “tu” quando Pedro se dirige a Jesus e “você” quando Jesus se refere a Pedro, nas línguas originais não há nenhuma diferença na forma de tratamento: é exatamente a mesma palavra, sem distinção.

    Vamos pegar outros exemplos:

    Na ocasião do batismo de Jesus, ele chega até João Batista, que lhe diz: “Eu preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim?” (Mt 3.14). A palavra original que foi traduzida aqui por “tu” é, novamente, su. Quando Jesus está diante de Pilatos, o governador romano lhe pergunta: “Então, você é rei!” (Jo 18.37). Adivinha que termo no original em grego foi traduzido por “você”? Exato: o mesmo su. E sabe o que Jesus responde? “Tu dizes que sou rei” (Jo 18.37). A palavra original? Su de novo.

    O que percebemos, então, é que o tempo todo Jesus era tratado por su e tratava os outros por su (evidentemente estou me referindo ao grego em que foi escrito o Novo Testamento e não ao aramaico que Jesus e seus discípulos usavam para conversar entre si ou ao latim que Pilatos falava).

    Você poderia argumentar que Jesus estava sendo tratado assim porque ele não era visto como divino pelas pessoas, naquele momento e, por isso, não seria considerado digno de um tratamento mais elevado. Bem, esse argumento desmorona quando vemos a forma como o próprio Cristo se dirige ao Pai. Quando o Mestre está no Getsêmani, antes de sua prisão, ele ora e diz ao Todo-poderoso: “Afasta de mim este cálice; contudo, não seja o que eu quero, mas sim o que tu queres” (Mc 14.36). Basta olharmos nos originais e veremos que a forma de tratamento permanece a mesma: su. E o Pai é tratado dessa forma ainda em outras passagens, como João 17.21, e não só por Jesus. Vemos, por exemplo, em Atos 4.24, Pedro e João conduzirem uma oração ao Pai, em que dizem “Ó Soberano, tu fizeste os céus, a terra, o mar e tudo o que neles há!”. Por que pronome eles o tratam? Su.

    A que conclusão podemos chegar? Constatamos que, na língua original em que foi escrito o Novo Testamento, o mesmo pronome de tratamento era utilizado quando Jesus se dirigia a um ser humano, quando um ser humano se dirigia a Jesus, quando Jesus se dirigia ao Pai ou quando um ser humano se dirigia ao Pai. Não havia distinção em nenhuma situação.

    Logo, será que há algum mal em eu usar o mesmo pronome para me dirigir a um ser humano, ao Pai, ao Filho ou ao Espírito Santo? Bem… se na língua original do Novo Testamento não havia, por que haveria hoje?

    Meu irmão, minha irmã, não chamamos Deus de “tu” por nenhuma razão bíblica, mas por pura herança cultural do vocábulo escolhido pelo português João Ferreira de Almeida quando ele passou o texto bíblico para o português 400 anos atrás. Se ele tivesse escolhido “você”, isso não representaria nenhum desrespeito. Muito pelo contrário, teria adotado o mesmo tratamento que era usado para se dirigir a reis, fidalgos e autoridades.

    vc6Por tudo isso, fica aqui minha carinhosa recomendação: se você não se sente bem dirigindo-se a Deus por “você”, não se dirija. “Tu” é igualmente válido pois, segundo as línguas originais da Bíblia, não há absolutamente nenhuma diferença. Mas, por favor, não condene quem chama o Senhor de “você”, porque tem a mesma validade na tradução e, além disso, historicamente é uma palavra que se usava para se dirigir aos mais elevados representantes da sociedade. Tem um belíssimo e digníssimo significado. Não criemos discórdias entre nós por causa disso.

    “Você” significa “vossa mercê”, que, por sua vez, significa “vossa graça”. Que privilégio é poder chamar o Abba, o nosso paizinho celestial, de “você” e saber que, ao nos dirigirmos a ele, estamos ressaltando, no que dizemos, essa característica tão magnífica e salvadora do amor divino: sua maravilhosa graça.

    Por isso, eu oro: Deus, que tu, você, vossa mercê, vossa misericórdia, vossa graça…

  2. Nunca irei me referir ao Todo poderoso como “você ” ele não é qualquer um, ainda que venha com toda sabedoria humana tentar justificar, ele é Deus. A uma pessoa chamamos de” você ” mais ao grande e maravilhoso rei, único e majestoso rei, que não há nem nunca haverá nem nunca houve, a ele toda honra, toda glória, e toda reverência, ele é Senhor, sempre será Senhor, as pessoas perderam a reverência a Deus, e acham que podem tratar ou referir a ele de qualquer maneira.

    • Olá irmão

      Concordo com você, Deus é todo poderoso e merece respeito. Agradeço pelo seu comentário e acredito que servirá de esclarecimento para os demais cristãos

      att

  3. A ele seja dada todas as honras, e todas as glorias, poque ele é o Senhor dos ceus e da terra, é o Rei dos rei, é o Senhor dos senhores, os seus dias não podem ser contados, porque ele é de geração a geração, gloria pois a ele para sempre amem!!!!! o cara chega diante de um juiz, e o trata de vossa excelência, um medico ou delegado trata de Doutor, quando se trata de Deus, chama-o de voçe, ta de brincadeira comigo ne???

  4. Cara
    Laís Pires

    Conheço gente, que quando cai uma tempestade com raios e trovões, eles se escondem debaixo da cama, ou dentro do guarda roupa, e la ficam tremendo de medo, até a tempestade passar, um dia vamos estar diante do Deus que fez os raios e trovões, e as estrelas que são bolas de fogo, muitas vezes maior do que a terra, quero ver quem é o macho ou femea, que vai ousar olhar pra esse Deus e chama-lo de voçe.!!!!!!

    • É verdade irmã, algumas pessoas quando estão por um momento de grande dificuldade, tendem a respeitar mais a DEUS. Precisamos dar mais valor ao nosso Senhor.

      Obrigado pelo seu comentário, tenho certeza que ajudou muita gente.

      att

  5. ɛxɨstɛ ʊʍa ċaռçãօ ɖɛ ʊʍa ɮaռɖa aí..
    զʊɛ Ɖɨʐ” só զʊɛʀօ ʋɛʀ ʋօċê”
    ռօssa desɖa քʀɨʍɛɨʀa ʋɛʐ զʊɛ ʋɨ tօċaռɖօ ɛʍ ʊʍa ʋɨɢíʟɨa ɖɛtɛstɛɨ ռãօ ċօռsɨɢօ ċaռta-ʟá
    sօʊ ʟɛʋɨta ʍas ɛssa ʍúsɨċa ռãօ ɖaʀ քʀa ċaռtaʀ…

  6. Os hinos da Harpa e Cantor Cristão não existe uma se quer letra que trate o Senhor Jesus e o Deus soberano de você. Mas hoje as letras das canções gospel tratam o Senhor como você. O que eu não concordo. Parabéns pelo post!

    • Obrigado irmão Ezequiel pelo seu comentário.

      Realmente precisamos rever nossos conceitos em relação ao tratamento que damos ao nosso Deus.

      Que Deus abençoe sua vida

  7. Meu querido(a) , Tenha mais cuidado e sabedoria quando for instruir ao povo de Deus, principalmente em algo que se refere à adoração, à oração, ao relacionamento.

    No grego, só havia a palavra “su” como pronome de segunda pessoa, não havia outro. Chamavam de “su” ao servo e ao rei porque nao existia outro pronome.

    Aqui no Brasil, existe o “você” e o “tu”. O “voce” é usado genericamente, é o pronome que você chama seu colega, crianças…pessoas iguais e inferiores a você. O “tu” tambem é usado genéricamente em muitas cidades. Mas ele nao é apenas generico, é o mais respeitoso, o mais formal, o mais reverente da nossa cultura.

    Como devemos chamar ao Soberano, da forma mais comum e informal ou da mais reverente? Ou Será que o Eterno não tá nem ai para como nos referimos a ele? Responda você mesmo.

    Não se enganem, intimidade gera respeito e reverencia! Deus é teu amigão sim, teu pai, ele te ama incondicionalmente ,mas ele continua sendo Soberano e digno de todo respeito e reverência possivel.

    • Meu querido irmão, a paz do Senhor!

      Primeiro gostaria de esclarecer, que o propósito deste blog, é debater os mais diversos assuntos que englobam o meio cristão.

      Existem diversas opiniões e respeitamos todas eles, mas isso não quer dizer que falta sabedoria em meu post, até porque, como disse, existem várias opiniões.

      Se você chama o seu pai de sr. como sinal de respeito, porque não o Deus todo poderoso? Será que Ele não merece respeito?

      Deus não pode ser comparado a nós, porque Ele é o Soberano. Perceba que quando se referimos a ”ELE”, sempre com letra MAIÚSCULA, como sinal de Soberania.

      Espero que tenha entendido e que Deus te abençoe

      att

  8. Bom .. Se Jesus é o meu amigão, que senta do meu lado na hora de dormir, e eu conto todos os meus segredos mais íntimos e profundos, dos quais nem os meus pais sabem, sinto que tenho intimidade de chamá-lo de você sim, pois ele é mais do que um Pai, é um amigo.

    Acredito que Deus não se importa com que palavra o chamamos, se ele sonda o profundo dos nossos corações ele sabe o quanto tememos e o amamos. O que realmente importa pra Deus é a sua intimidade com ele ! Pois será que Ele então não recebe a oração de alguém sem estudos ? que não sabe conversar ? que tem um português ruim ? Acredito que essa é a oração mais sincera diante de Deus, pois o Senhor é Senhor, mas não deixa de ser humilde e simples !

    Resumindo: Depende da intimidade de cada um !

  9. Deus tremendo agradeço pelo estudo com esse tema, infelizmente isso virou “Moda” nos hinos atuais e eu sempre dincorrei, mas não tinha esse conhecimento antes visto aqui, Deus abençoe esse site e a todos, a paz🙋🏼🙌🏻

  10. “Tu” e “você” são basicamente a mesma coisa, então se os homens inspirados pelo Espírito Santo se dirigiram a Deus com o pronome de tratamento “tu”, inclusive em expressões de louvor, então não vejo qualquer problema em usarmos a expressão “você” nos cânticos, ainda mais quando temos em vista a licença poética e a intimidade que temos com o Senhor como seus filhos, sem perder o respeito que lhe é devido, claro! 👍☺

  11. Nunca gostei de cantar esses louvores que tratam Deus de você , mas como canto no ministério de louvor acabo cantando.
    A questão é o dicionário diz que desgraçado e uma pessoa sem graça ,mas muitas pessoas usam como xingamento . Então o que importa é a intenção, e qdo cantamos só quero ver vc a intenção aí não é uma forma de reverência pq tenho ctz que ngm fez essa letra pensando no que o dicionário diz, apenas acham que tem muita intimidade com Deus a ponto de poder chama lo de você . Gente por favor né , não acredito que isso influencie na salvação e nem crítico quem pensa diferente , mas achar que o nosso nível de intimidade com Deus nos dá o direito de tratarmos o Todo Poderoso de você não concordo.
    Os escritores inspirados por Deus todas as vezes que iam escrever o nome de Deus deveria se banhar por inteiro tinha todo um ritual por causa da santidade de Deus . Devemos nos lembrar que somos pecadores e Deus é santo . Embora acredito que Ele não se importa se o tratamos tão informalmente ou nao nos devemos reconhecer que Ele merece toda reverência .
    Deus abençoe a todos!!

  12. chegue diante de um juiz ou qualquer autoridade constituída e chame ela de você…com certeza haverá uma repreensão…e o irmão faz um textão pra fazer valer sua tese?…eu respeito meu Salvador Jesus Cristo o meu SENHOR!!

    • O senhor Jesus e meu amigo e estar comigo todas as oras nais minhas intimidades portanto o respeito o reverencio de forma cariossa . Porem e ser muito muito iguinorante chamar O Senhor Deus de tu e critacar quem O Chama de voce. Pois o seguinificado tem o mesmo siguificado .

Deixe um comentário...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.