Juntos mas separados também

Separados

Eles têm tudo em comum, exceto o amor “Somos casados no papel e vivemos debaixo do mesmo teto, de vez em quando cumprimentamos um ao outro… Estão juntos, mas ao mesmo tempo separados.

De vez em quando (e olhe lá) também trocamos algumas ideias… Somos marido e mulher, contudo, não nos comportamos como tal.

Já faz algum tempo que estamos assim: juntos, porém separados”.

Muitas vezes, com o passar dos anos, deixamos de amar ou perdemos o desejo, virarmos amigos ou irmãos. 

Existe apenas a acomodação dos dias que vamos empurrando com a barriga até que algo de extraordinário aconteça.

Espero que este artigo possa ajudar a entender a questão de juntos, mas ao mesmo tempo separados.

Vejamos a explanação abaixo:

A REALIDADE DO CASAL QUE ESTÁ JUNTO MAS SEPARADOS

juntos mas separados

Parece absurdo, mas esse paradoxo faz parte da vida de muitos casais. É triste dizer, mas são inúmeros os casamentos de “fachada”, isto é, aqueles que mostram uma felicidade aparente para a sociedade, entretanto, entre quatro paredes, o clima é outro.

Nesse aspecto, o “até que a morte nos separe” chega mais cedo do que o esperado, ou melhor dizendo, não é a morte que os separa, mas qualquer motivo.

O “felizes para sempre” passa ser uma desilusão e “o que Deus uniu não separe o homem”, uma interrogação.

Talvez você não seja separado judicialmente, mas esteja vivendo essa mesma contradição, com um casamento onde não existe mais amor, afeto e respeito. Vocês vivem somente de aparências.

Talvez você nem saiba mais o que é dormir ao lado de seu cônjuge ou receber carinho da pessoa que um dia prometeu amar-te na “saúde ou na doença, na pobreza ou na riqueza, na alegria ou na dor”.

Veja o artigo: “Porque os casais não se entendem?”

Tudo isso acontece e seu cônjuge parece não dar a mínima. Nessas horas, pensamentos como “Ele(a) está me traindo” ou “Eu não sou mais uma atração para meu(inha) esposo(a)”.

E o pior é que você sempre se pergunta: “Onde foi que eu errei? Por que o meu casamento está assim?

O que fazer?” Com certeza, muitos irão responder que a separação é o melhor remédio para esses casos. Porém, lembre-se sempre de uma coisa: a separação deve ser o último recurso para um casal.

Enquanto houver possibilidades, haverá esperança. Sabemos que a batalha é e será desgastante, dolorosa, e que nem sempre todos os casais (ou um dos cônjuges) querem investir na relação

ESTATÍSTICA DA SEPARAÇÃO

juntos mas separados

É lamentável, mas as estatísticas comprovam o crescimento cada vez mais assustador da separação de casais. Segundo a revista Veja (Edição nº 1.704, de 13 de junho de 2001), “em 2000 houve 112.000 divórcios no Brasil.”

Segundo, ainda a revista, “quando essa quantia é somada ao número de separações judiciais concedidas anualmente, cerca de 93.500, obtém-se uma dimensão do total de casamentos encerrados nos tribunais: 205.800 num ano.”

Os efeitos da separação, na maior parte dos casos, são extremamente traumáticos para os dois lados, mas principalmente para os filhos. Eles são os que mais sofrem.

Veja o artigo: “Quando o parceiro gosta mais do trabalho do que de casa”

Muitos casais já vivem separados há muito tempo, vivendo de aparências 

Contudo, se engana quem pensa que somente a separação no papel causa ressentimentos. Para os filhos, presenciar cenas de indiferença entre os pais, pode ser mais pesado e confuso.

Ver os pais agindo dentro da própria casa como dois estranhos, é algo que marca para o resto da vida.

QUAL A SOLUÇÃO?

juntos mas separados

O que precisa haver é uma compreensão de ambas as partes. Procurar ajuda de especialistas na área familiar e aconselhamentos pastorais são algumas formas de se buscar consolo e quem sabe uma solução para o problema.

Algo que deve ficar claro também é que o casal precisa saber o motivo, “colocar os pingos nos is”, saber o porquê de estarem agindo assim. Procurar a “raiz do problema” e mostrar interesse já é uma boa forma de trabalhar os conflitos.

Veja o artigo: “Princípios para a construção de um lar”

Cabe aqui uma palavra. Tudo na vida é uma questão de escolha. O que você quer? Você escolhe continuar vivendo assim com seu cônjuge.

Privando-se de momentos ímpares de felicidade com ele (a), deixando, muitas vezes, até mesmo de viver, o que resulta em verdadeira perda de tempo; ou então, você escolhe mudar tudo, começar de novo e usufruir a vida abundante que Deus tem para vocês. Neste caso: “Você decide”.

CONCLUSÃO

Deus não gosta do divórcio, portanto, o plano Dele é uma união até a morte. Sendo que depende de nós para concretizarmos esse sonho!

Pense nisso e siga em frente!

Se você gostou deste artigo, curta ou  compartilhe no facebook, clique aqui ou deixe um comentário

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.